Com argumento consistente e esclarecedor, Eduardo Cunha desmonta item por item do falacioso depoimento de testemunha convocada pelo Conselho de Ética da Câmara

‘Não existe fato, que dirá prova’, rebate o presidente da Câmara, referindo-se ao que foi dito contra ele, nesta quinta. OUÇA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA

BRASÍLIA — O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), afirmou nesta quinta-feira, 7, que foi desnecessário o depoimento de testemunha no Conselho de Ética. “Não existe ali nem um fato, que dirá prova. É sempre uma tentativa de tentar me atribuir coisas das quais não sou partícipe. Não vejo nem como comemoração nem como derrota. Vejo que esse depoimento é absolutamente desnecessário”.

A entrega dos recursos já foi desmentida por Cunha durante a campanha eleitoral à presidência da Câmara, no início de 2015. “Ele fez menção a uma situação que já foi publicamente comprovada por todos vocês (jornalistas)”, disse, se referindo ao esclarecimento sobre onde o dinheiro da suposta propina teria sido entregue por um policial funcionário de Youssef em uma residência de alguém não ligado a Cunha. “Buscar nos fatos que estão sobre apreciação judicial para tentar colocar conduta de decoro é, primeiro, burlar a própria decisão do conselho com relação à sua admissibilidade e, em segundo lugar, querer criar situações que não tem amparo no regimento e na legislação para poder produzir condutas inadequadas. Então eu repudio isso”, sustentou o presidente da Câmara. (Com informações da Agência Câmara)

OUÇA A ÍNTEGRA DA ESCLARECEDORA ENTREVISTA