Eduardo Cunha rebate, em nota, acusações de delator: ‘Histórias fantasiosas’

‘Lamento que todas as denúncias sejam baseadas em palavras de delator, com histórias fantasiosas, onde não tive o direito de ser ouvido em sede de inquérito para estabelecer o contraditório’. LEIA NOTA

NOTA À IMPRENSA

Com relação aos fatos hoje divulgados, tenho a esclarecer o que se segue:

1) desconheço o conteúdo da delação, porém quero desmentir com veemência os supostos fatos divulgados e desafio a provarem;

2) não recebi e nem combinei com quem quer que seja qualquer vantagem indevida de nenhuma natureza;

3) o delator, ao que parece, é réu confesso de práticas irregulares, as quais cabe a ele responder por elas;

4) não tenho operador, gestor financeiro ou qualquer coisa do gênero, e também não autorizei ninguém a tratar qualquer coisa em meu nome;

5) lamento que todas as denúncias formuladas sejam baseadas em palavras de delator, com histórias fantasiosas, onde não tive nem o direito de ser ouvido em sede de inquérito para estabelecer o contraditório.

EDUARDO CUNHA

Brasília, 1 de julho de 2016.